Sexta-feira, 28 de Maio de 2010

 

Estamos em período de aperto. Portugal necessita de ser mais eficiente - a todos os níveis - mas, tal como um computador que apesar de ter um bom software não funcionará bem sem ter um igualmente bom hardware, também o país pode ter cidadãos cheios de iniciativa, bem formados e informados e empresas extremamente competitivas que não irá a lado nenhum sem ter um bom ordenamento do território. Sei que sou suspeito pois trata-se da minha ocupação diária, porém acredito, sinceramente, que a nossa maior eficiência e competitividade enquanto país passará, necessariamente, por uma evolução positiva na área do ordenamento do território. Por ser uma área que me diz muito e por ter uma extrema complexidade, este será o primeiro de uma série de posts acerca do tema, que serão administrados em pequenas doses homeopáticas.

 

Hoje abordarei uma questão essencial: a classe política.

Infelizmente, dificilmente faremos algo de bom no ordenamento enquanto a classe política depender dos votos para ganhar eleições, ou se quiserem, dificilmente faremos algo de bom no ordenamento enquanto a classe política puder determinar onde ocorrem as áreas de expansão urbana, ou se quiserem, dificilmente faremos algo de bom no ordenamento enquanto a classe política não tiver o mínimo de formação em ordenamento do território, e ainda, se quiserem, dificilmente faremos algo de bom no ordenamento enquanto a classe política não perceber que ao viabilizar as pretensões de meia dúzia de votos eleitores pode estar a hipotecar a pretensão da totalidade dos que governa: o direito que têm a um bom ordenamento. No fundo, e pensando mehor, dificilmente faremos algo de bom no ordenamento enquanto os eleitores não souberem o que é o ordenamento. Esta é a verdade. Para primeiro post, para não os cansar já, e porque eu próprio estou um pouco cansado, fico-me por aqui. Próxima paragem: a importãncia do debate público sobre ordenamento.



publicado por fblourido às 22:43 | link do post | comentar

6 comentários:
De Cais das Colinas a 29 de Maio de 2010 às 00:31
Boa ideia essa de te lembrares do King Kong; era gajo para dar uma mãozinha no ordenamento do território.
Cheira-me que ele tem mãozinha para o urbanismo, mesmo que lhe falte alguma urbanidade.
O King Kong era uma grande mais-valia nessas Quarteiras que por aí andam.
Ele brincava às demolições e depois era só mandar recolher o entulho...


De fblourido a 31 de Maio de 2010 às 10:42
De facto...por vezes dá vontade. Foi completamente casual. Mas enfim, a genialidade é sempre casual...eheh


De pocketfullofsunshine a 30 de Maio de 2010 às 02:33
Concordo plenamente que o ordenamento do território deveria ser muito mais explorado, ao contrário do que acontece... O que aconteceu na Madeira é o perfeito exemplo de um mau (ou melhor, inexistente) ordenamento e as consequências estão à vista... Espero que não seja preciso mais para que se abram os olhos!
Bom tópico ;)


De fblourido a 31 de Maio de 2010 às 10:47
Já aqui se falou desse incidente trágico na Madeira. Nesse post (http://zumbanacaneca.blogs.sapo.pt/22876.html) aflora-se um pouco sobre o porquê do acontecido. Mais se irá dizer ao longo desta série, com toda a certeza. Obrigado.


De Maionese a 30 de Maio de 2010 às 16:27
Como é que pode haver um verdadeiro reordenamento do território quando os pdms estão todos alterados e metade dos concelhos nem cartas arqueológicas, ou zonas agrculas têm definidas?
o lobby da construção não deixa.
aparece em

http://forcanamaionese.com


De fblourido a 31 de Maio de 2010 às 11:00
Obrigado pelo comentário Maionese. De facto, confirmo a dificuldade extrema de obter a informação sobre o património, seja arqueológico, seja arquitectónico , em todos os concelhos em que trabalho. Mais, para além de ser difícil de obter existem contradições entre as entidades responsáveis nesses áreas. É certamente uma área a melhorar. Quanto à existência de concelhos sem espaços agrícolas, exceptuando Lisboa e poucos mais que admito existirem mas desconheço, penso ser difícil a ocorrência de tal, uma vez que o solo rural é normalmente composto de espaços agrícolas e florestais, e esses existem quase sempre.


Comentar post

mais sobre mim
Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Boas Festas

Claque partidária.

Redenção

"O Dantas em génio nem ch...

"Think of RepRap as a Chi...

Zeitgeist

Isto é claramente, e cada...

Ups...

Boas festas

1', 2'...12'20'' de Músic...

arquivos

Dezembro 2011

Outubro 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

todas as tags

||
drupal stats
blogs SAPO
subscrever feeds