Quinta-feira, 22 de Outubro de 2009

 

 

Saí do escritório para comer qualquer coisa, era uma e picos. Dirijo-me ao Multibanco que existe em frente à Confeitaria Ferreira e deparo-me com uma cena surreal. Um homem fardado de PSP, dirigia-se a duas jovens aos berros, empurrando uma delas (com um terço do tamanho dele), e vociferando na direcção da outra: "... Mas tu pensas que estás a falar com quem? Olha que vais presa e depois explicas-te ao Juiz..." Em redor, para além do colega, mais calmo mas conivente com a atitude, juntavam-se pessoas a assistir à cena. As pessoas na confeitaria, as pessoas que aguardavam na estação de metro, que saiam do banco, da farmácia, ninguém se atreveu a dizer nada. Nem sequer se aproximavam, como é normal acontecer nestas situações. Era como se existisse uma barreira invisível. Não podia acreditar. Aceno negativamente com a cabeça e o exaltado agente repara. Fui então almoçar, na esperança de que a situação se resolvesse pelo melhor, com a ideia de depois chamar a atenção ao agente. Quando saí ambos os agentes se encontravam, praticamente, no mesmo sítio à conversa com um senhor da Prosegur, com ar de quem está de muito bom humor. Dirijo-me ao agente, já mais calmo, dizendo: - Boa tarde. Não podia deixar de vir aqui, uma vez que já não estão aqui as pessoas com quem estava a falar à pouco, dizer-lhe que achei lamentável a forma como procedeu. Não se fala assim às pessoas.

- Não estou a perceber... Não estou a perceber. - respondeu o agente.

- Não compreende o que lhe estou a dizer? - perguntei

- Não.

- Estou a dizer-lhe que acho lamentável a forma como o senhor se dirigiu àquelas pessoas. Não se fala assim às pessoas. - ao que o agente retorquiu

- Mas o senhor não assistiu nem a metade.

- Isso não me interessa, você não pode falar assim com as pessoas, perde a razão.

- Você sabe com quem está a falar? Está a falar com um agente da autoridade. - afirmou ele

- E? Estou a faltar-lhe ao respeito?

- Está!

Aceno negativamente e solto um : - Ahhhh. Isso é que não estou!

- Ah, então se é assim pode seguir o seu caminho. Eu não o chamei aqui e não lhe devo satisfações, nem falo com pessoas que não sei quem são.

- Eu não o chamei aqui?! Pode seguir o seu caminho?! Mas o que é isso? O meu nome é Francisco Lourido.

Entretanto o colega mete-se na conversa, para sossegar os ânimos, e o agente 'simpático' cala-se.

- Então mas ... - ele disse qualquer coisa mas eu já nem o ouvi - Oiça o seu colega procedeu mal, não se fala assim com as pessoas. E, o senhor foi conivente com ele. - silêncio - Acho lamentável. Acho lamentável. É vergonhoso. - e virei costas.

Ainda ouvi , em tom mais baixo só para nós os três ouvirmos, aquilo que penso ter sido um insulto à minha pessoa, mas não sei precisar qual. Custa-me ter que dar razão à Mó que se está sempre a referir às quesões de abuso de autoridade e eu tento que ela veja melhorias. Tenho que dar a mão à palmatória. Pensava que as coisas estavam em patamares mais civilizados. Estou a ponderar se vale a pena o trabalho que me vai dar, e o tempo que vou perder no processo, ao apresentar queixa.

É assim, mais um dia em Matosinhos city.

 

 



publicado por fblourido às 13:38 | link do post | comentar

mais sobre mim
Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Boas Festas

Claque partidária.

Redenção

"O Dantas em génio nem ch...

"Think of RepRap as a Chi...

Zeitgeist

Isto é claramente, e cada...

Ups...

Boas festas

1', 2'...12'20'' de Músic...

arquivos

Dezembro 2011

Outubro 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

todas as tags

||
drupal stats
blogs SAPO
subscrever feeds