Segunda-feira, 10.05.10

Wordle: Constituição da República Portuguesa

 

Da análise da imagem supra, que é uma síntese da nossa constituição (e que clicando em cima terão oportunidade de ver em maior detalhe, e até criar as vossas próprias imagens) parece que temos um País extremamente bem organizado. Nada mais falso. Eis o desfazamento da letra da lei para o País real. De que serve a Lei quando não tem aplicação à realidade, pergunto? Reforme-se, a dita e o sistema que é sua consequência.



publicado por fblourido às 14:32 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 05.05.10

Imagem rapinada daqui.

 

Bom, agora que ladram enquanto passa a caravana, é bom reler um artigo de jornal dos idos de Setembro de 2009, que versa sobre matemática aplicada.



publicado por fblourido às 11:14 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 28.04.10

Ontem tudo corria como habitualmente, não muito bem, é certo, mas havia uma dinâmica de lenta recuperação, ou talvez de lenta agonia até à bancarrota. Seja como for, o que me traz aqui a escrever esta posta, é a revelação pessoal de que um País afinal já há muito que não o é. Um País é afinal de contas uma gigantesca empresa. Nós não controlamos nada no nosso País; a ideia de que tal acontece é pura ilusão. Quem nos controla são os accionistas do País, leia-se, os credores. Ontem, dizia, tudo corria como seria expectável para um País na nossa posição; lutávamos pela sobrevivência. Hoje continuamos a lutar, até porque a esmagadora maioria da população não liga ao bulício das mercados financeiros; a diferença essencial é que parece que hoje já não faz diferença se lutamos ou não. Porquê? Porque uma empresa (standard & poor's) do outro lado do Atlântico comunicou ontem que Portugal já não vale hoje o que valia ontem. É o que eles fazem, avaliam coisas; neste caso países. E, como tal, um País em que nada mudou desde o momento A, prévio à comunicação, até ao momento B, posterior à comunicação, passa a valer menos. Aqui coloca-se a analogia entre esta situação e a questão clássica sobre o que apareceu primeiro: o ovo ou a galinha?; Portugal vale, de facto, menos hoje que ontem ou assim acontece porque uma empresa disse que assim é? Mexem com a vida de uma Nação de almas de uma penada e dormem descansados; é assim, é o que eles fazem.



publicado por fblourido às 11:52 | link do post | comentar | ver comentários (4)

Quarta-feira, 02.12.09

 

Ando um pouco descontente com o meu País, ou com alguns que nele comigo habitam. Neste momento, está a chatear-me esta capacidade única de andarmos sempre cabisbaixos, a queixarmo-nos do nosso fado. Não sei porquê. Já cá ando há tempo suficiente para estar mais que habituado a isso. E estou, porém não deixa de me chatear. Quando iremos olhar para o futuro com aquele brilho no olhar de quem sabe o que quer, como quer, e para onde vai. Porque seremos, eternamente, o Povo que não se revê nas decisões tomadas por quem elegeu, criticando-as sem apresentar, normalmente, alternativas? Decisões normalmente previstas em programas de governo que se submeteram à voz do Povo? Afigura-se-me claro que devemos estar inoculados por um vírus que atingiu concentrações perigosas no organismo do Dr. Medina Carreira, a quem muito devemos, sem dúvida, mas que apresenta sintomas graves do dito agente infeccioso.
Infelizmente, e apesar de saber que somos capazes de coisas fantásticas como gestos de solidariedade de meter inveja a qualquer cruz ou lua vermelha, também somos caracterizados por coisas extremamente negativas, senão vejamos. Caracterizam-nos negativamente, a meu ver, generalizando, e de forma sumária, os seguintes adjectivos: invejosos, mentirosos, corruptos, mesquinhos, preguiçosos, iletrados, nhurros, cansados, doentes, infelizes, ingénuos, deprimidos, histéricos. Tento o exercício oposto, encontrar adjectivos que nos caracterizem positivamente e, com muito mais dificuldade, ocorre-me um número menor, muito menor, de adjectivos, vejamos: solidários, hospitaleiros, desenrascados, sentimentais. Enfim como imaginava, é-me mais difícil. Será culpa do meu léxico? É possível, embora não me pareça provável.
Bom, a minha tese é de que enquanto assim continuarmos, e tudo indica que será, infelizmente, por muito mais tempo, nunca sairemos enquanto Povo e País, da cepa torta. Essa é que é a questão de fundo, é aí que reside a solução para grande parte dos nossos problemas. Não são políticas económicas, fiscais, judiciais, avulsas, ou outras que, per si e artificialmente, resolverão os problemas, os problemas apenas serão resolvidos quando nos decidirmos a tal enquanto Nação, como desígnio nacional. É a mudança de paradigma cultural que nos poderá, alguma vez, retirar deste marasmo. Aludindo ao que escrevi acima é preciso, urgentemente, que aprendamos o que queremos, como o queremos e para onde vamos. Jorge tu é que tinhas razão.

 

Adenda: Não há teoria sem hipótese e corolário. Alterei a imagem inicialmente publicada que, embora tenha algum interesse, não vem tão o propósito como a que agora figura no inicio da posta, encontrada aqui.



publicado por fblourido às 14:48 | link do post | comentar | ver comentários (3)

mais sobre mim
Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Dura lex, sed lex?

Revisões da matéria dada

Já nos fizeram 'a folha'!

A história de um País adi...

arquivos

Dezembro 2011

Outubro 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

todas as tags

||
drupal stats
blogs SAPO
subscrever feeds