Segunda-feira, 30 de Novembro de 2009

Inspirador.

 

 



publicado por fblourido às 18:16 | link do post | comentar | ver comentários (4)

Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009

 

Foto rapinada aqui

 

Para quem não conhece em pormenor o que aconteceu a 25 de Novembro de 1975, excelente artigo a ler.

"Foram 20 dias alucinantes. O Governo mandou bombardear a Rádio Renascença. Os trabalhadores da construção civil sequestraram o Governo e a Assembleia. O Governo entrou em greve. Os líderes do PS, PSD e CDS fugiram para o Porto, porque ia ser criada a Comuna de Lisboa independente. Os pára-quedistas ocuparam as bases da Força Aérea. A guerra civil ia começar. A reconstituição hoje possível do 25 de Novembro de 1975, a partir de entrevistas com os principais intervenientes e dos livros que, para deixarem o seu testemunho para a História, alguns deles têm publicado." Por Paulo Moura in Público online



publicado por fblourido às 17:44 | link do post | comentar | ver comentários (2)

 

imagem: guardian.co.uk ©

 

Esta imagem poderia ter sido captada numa qualquer rua de cidade por esse mundo fora. E foi. Aliás, a própria cidade onde foi captada, navegará por esse mundo fora a partir de 1 de Desembro; chama-se Oasis of the Seas e é o maior navio de cruzeiro do mundo. Mais informação aqui e fotos.



publicado por fblourido às 13:43 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 24 de Novembro de 2009

Em todos os sentidos. A qualidade da tecnologia apresentada no vídeo, não deixa de ser original e inovadora, mas o que, de facto, surpreende é a absoluta generosidade deste senhor. Merece, com toda a certeza, refrência aqui.

 

Adenda: http://www.pranavmistry.com/projects/sixthsense/

 



publicado por fblourido às 13:45 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009

Tentei responder em jeito de comentário mas o sistema é castrador e não permite comentários maiores que 4300 caracteres. Assim sendo aqui fica para todos e, em especial, para o Cais:

 

Levantas questões muito interessantes, Cais. Vamos lá ver se consigo chegar a algumas conclusões -- não serei, certamente, exaustivo -- e me faço entender.
Quanto à primeira, a do impacto visual, parece-me claro que uma torre com 100 metros de altura será visível, quiçá, da Serra da Arrábida. Mas a questão não se resume a isso porque os impactos visuais podem ser positivos e negativos. Por aqui me fico no que diz respeito a esta obra em concreto, passarei agora a escrever em termos genéricos.
Assim para início de conversa, sou da opinião que não podemos permitir que os donos de obra construam o que quiserem só porque têm direitos sobre um pedaço de terreno. Como é que isto se operacionaliza será outra questão sobre a qual não irei discorrer. Interessa-me, para já, a questão de fundo, a dos direitos e como é que ela se relaciona com a efectiva utilidade da cidade enquanto 'máquina de habitar' colectiva.
Sugeres tu que "o futuro a Deus pertence". Vou a jogo e digo que Deus, não sendo técnico, deve ser auxiliado por aqueles que o são; por outras palavras, a função do arquitecto é facilitar a incumbência divina, de proporcionar sucesso às obras que o próprio projecta.
Assumo também que não sei mexer no oráculo de Bellini, nem almejo tal, mas palpita-me que um edifício em forma de pastel de Belém com um diâmetro de 30 metros, jamais se enquadrará onde quer que seja. Parece-me clara a nossa divergência neste ponto. O meu amigo aceita, de bom grado, que se edifiquem obras em forma de Teddy Bear, ou outra qualquer representação infantil, independentemente da localização, apenas por vontade do dono de obra. Bom a minha opinião vai no sentido oposto.
É certo que o dono de obra tem direitos e, em simultâneo, deveres para com a comunidade onde está inserido. Não é assim? A cidade -- e, de resto, o território, ao qual me referirei, também, de cada vez que me referir à cidade -- não deve, e não pode, pertencer apenas aos donos de obras, mas sim aos ditos e ao resto da comunidade, em comunhão. Se assim não fosse, a cidade não passaria de um somatório de pequenos nadas, tela, permanentemente, em branco á espera da inevitável pincelada de um pintor invisual e desregrado. Uma cidade assim seria, exceptuando raríssimos acasos, para além de repelente, inútil enquanto habitat humano. Eu sei que concordas comigo quando digo que a construção da cidade não pode depender do acaso, é importante demais.
O caso de Las Vegas, apesar de respeitar alguma da sintaxe urbana, afigura-se-me como o exemplo mais próximo dessa cidade desregrada no que à forma das edificações diz respeito. Afirmo que não gostaria de viver em tal sítio e penso que existirá muita gente, uma grande maioria, pelo menos, entre quem tenha experimentado viver em cidades produto do urbanismo europeu, na mesma situação; talvez até tu próprio, Cais. Esse tipo de experiência não pode passar disso. Para além de insustentável, na contemporânea acepção da palavra, é um ambiente agreste ao Homem, por vários motivos, apenas apelativo e suportável porque não se vive lá, por ser a excepção, por ser passageiro, momentâneo. Obviamente, admito excepções; o ser humano tem uma enorme capacidade de adaptação e, em inúmeros casos, não conhecerá outros ambientes ou será 'forçado' a viver lá.
Uma das vantagens da cidade ser feita como tem sido -- com respeito pela comunidade na maior parte dos casos -- é que o todo é, por vezes, maior que a soma das partes, grandioso. Já se fizeram, como vimos, algumas experiências do género -- e não me refiro ao CCB, Amoreiras ou Bilbao, que nunca fui da opinião que não se integravam (e muito menos sou da opinião que são de desenho infantil), uns porque não tinha idade para isso na altura da construção, outros simplesmente porque não, apesar de criticar negativamente alguns desses projectos por outros motivos -- nalguns pedaços de cidade, mas por alguma razão essas experiências não se reproduziram na totalidade da cidade. O argumento do pólo de atracção turística, não colhe; os fins não justificam os meios. Não posso concordar com a edificação de um edifício em forma de bola de Berlim apenas para promover o turismo na Costa da Caparica, pela sua excentricidade, se este colidir com os direitos da comunidade. O que me leva a concluir que, sendo esse um dos requisitos do programa da obra, o arquitecto deverá tentar cumprir sem ferir os direitos da comunidade; ou seja, concordo que se edifique uma obra de elevada qualidade arquitectónica que, pelo seu valor acrescentado, promova o turismo na Costa da Caparica sem prejudicar a comunidade, ao invés de uma representação gratuita e infantil de uma qualquer bola de Berlim, digna de um parque de diversões.
Portanto, e para terminar, penso que, por princípio, “a arquitectura das igrejas” e, de resto, do que quer que seja, “deve pautar-se” pelo bom senso do técnico e aquilo que ele tem obrigação de ir aprendendo com e pela experiência do Mundo, que já vem sendo alguma; basta ter vontade, capacidade e discernimento para lê-Lo. Nem todos o conseguem; eu, se estiver, estou, com toda a certeza, no ínicio.



publicado por fblourido às 21:02 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009

 

imagem in Público online

 

Uma vez que o art.º 11 do Regulamento de Deontologia da Ordem dos Arquitectos não é muito claro quanto ao que se pode, ou não, fazer nestes casos, abstenho-me de comentários e remeto para as sábias palavras de Nuno Teotónio Pereira. Arrisco apenas um comentário: pessoalmente e neste particular, não gosto de "de ideias que se aproximam do limiar entre o kitsch e o piroso", e mais não digo.



publicado por fblourido às 12:03 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Segunda-feira, 9 de Novembro de 2009



publicado por zeduviana às 16:44 | link do post | comentar

Terça-feira, 3 de Novembro de 2009

Pertinente, bem disposto e deveras interessante.



publicado por fblourido às 17:52 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Segunda-feira, 2 de Novembro de 2009

 

 

"- Enquanto não forem, ou os filósofos reis nas cidades, ou os que agora se chamam reis e soberanos filósofos genuínos e capazes, e se dê esta coalescência do poder político com a filosofia, enquanto as numerosas naturezas que actualmente seguem um destes caminhos com exclusão do outro não forem impedidas forçosamente de o fazer, não haverá tréguas dos males, meu caro Gláucon, para as cidades, nem sequer, julgo eu, para o género humano (...)"


"- Além disso, é preciso ainda examinar o seguinte, se se quiser distinguir uma natureza filosófica da que não é.

- Examinar o quê?

- Que não tenha, sem que tu o saibas, qualquer baixeza; porquanto a mesquinhez é o que há de mais contrário a uma alma que pretende alcançar sempre a totalidade e a universalidade do divino e do humano.", excertos do diálogo entre Sócrates e Gláucon in "A República" de Platão.


Pois bem, acreditas tu, caro leitor, que este diálogo aconteceu por volta de 420 a.c., ou seja, há, sensivelmente, 2430 anos? Que parte é que eu perdi, que não sei o que aconteceu entretanto, pois volvidas essas duas dúzias de séculos, tudo permanece igual, exctamente igual, neste particular? Não aprendemos nada porquê? Que dizes?

 



publicado por fblourido às 10:08 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim
Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Boas Festas

Claque partidária.

Redenção

"O Dantas em génio nem ch...

"Think of RepRap as a Chi...

Zeitgeist

Isto é claramente, e cada...

Ups...

Boas festas

1', 2'...12'20'' de Músic...

arquivos

Dezembro 2011

Outubro 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

todas as tags

||
drupal stats
blogs SAPO
subscrever feeds